Dia Mundial da Luta contra a Toxicodependência

No Jornal "Correio do Minho" do passado dia 23 de Junho, os leitores podiam ler, na rubrica "Escreve quem sabe", um texto simples e conciso, informativo e formativo, de que transcrevemos excertos.

"Diga não às drogas

O dia 26 de Junho marca a celebração do Dia Internacional Contra o Abuso e Tráfico de Droga, pelo que abordamos hoje a temática da toxicodependência e seus principais problemas.
Actualmente, a problemática da droga faz parte do nosso dia-a-dia. (...)
(...) as drogas mais consumidas em Portugal são as legais, nomeadamente o álcool, o tabaco e os tranquilizantes. Os derivados da cannabis, especialmente o haxixe, são as drogas ilegais de maior consumo. Quanto ao consumo de heroína, estima-se que poderá afectar cerca de 1% da população
portuguesa. (...)
Um simples copo de vinho, ou um charro, podem ser o objecto de uma primeira experiência que pela repetição pode ter efeitos graves num futuro mais ou menos distante, ou mesmo durante o período em que se está sob a sua influência.
De entre os riscos para a saúde, contam-se os riscos associados aos efeitos físicos do consumo, a possibilidade de overdose, e ainda o risco de contágio pelos vírus do VIH/SIDA e das hepatites, (...), são frequentes os acidentes de viação provocados pelo consumo de drogas e/ou álcool. Os riscos psíquicos não são negligenciáveis e englobam dificuldades intelectuais, perturbações mentais, depressões, ansiedade, falta de memória, dificuldades de concentração, pensamentos estranhos, variações de humor, entre outros.
(...) tal como outros comportamentos de risco, se iniciam em idades cada vez mais precoces, nomeadamente na adolescência. A adolescência é sem dúvida uma fase difícil para alguns adolescentes, cujos problemas mal resolvidos de conflitos familiares e de identificação errada com determinados modelos provocam frustrações que impelem à fuga para a droga. (...), permanece o risco de os consumos se tornarem excessivos e regulares, o que geralmente evolui para dependência e requer tratamento especializado.
E lembre-se: o consumo de drogas, sejam estas legais ou ilegais, implica riscos nem sempre previsíveis, não apenas para o consumidor, mas também para o ambiente social que o rodeia."
Autoria de Susana Feio (Enfermeira) e Dânia Ferreira (aluna do 5º ano de Medicina da Universidade do Minho).
Aos nossos adolescentes lembramos que, como canta Sara Tavares, é necessário fazer "Escolhas" e, ainda, que, tal como "cantam" os Madredeus, pela voz de Teresa Salgueiro, "Haja o que houver" ... eu estou aqui! Eu, neste contexto, pode e deve significar família, escola e outras instituições. Há... se se quiser... volta, esperança!

Sem comentários:

Enviar um comentário